NEUROFEEDBACK

Cases / depoimentos
cases

Rodrigo Camargo, 36 anos

Fui diagnosticado com TDA (transtorno de déficit de atenção) pela minha psicóloga. Minha esposa ficou bem chateada, e começou a procurar uma solução para o caso sem a necessidade de remédio. Foi então que, pesquisando na internet, ela encontrou o site da Brain Tech. O interessante é que os resultados são permanentes. Consegui começar meu projeto pessoal de fazer um jogo para iPhone, coisa que desistia sempre que tentava começar. Posso dizer que sou outra pessoa e já vislumbro luz no fim do túnel para abrir minha própria empresa de software.


Gabriel Gengo, 18 anos

Procurei o tratamento de Neurofeeback, pois estava me sentindo totalmente dependente da ansiedade. Graças a uma tia minha, que conhecia o tratamento de Neurofeedback, comecei a fazê-lo. No começo, não entendia como aquelas ondas na tela e sinais sonoros, que ouvia durante os treinos, poderiam fazer meu cérebro mudar de atividade para que eu parasse de ter ansiedade. Mas, depois de 3 meses, me senti outra pessoa. Hoje me sinto muito melhor e posso atestar com total certeza que o tratamento funciona.


Isabel Parron, mãe do paciente Orlando, de 9 anos

Não demorou muito para notarmos mudanças no comportamento do Orlando: ele desenvolveu interesse pela leitura e pela escrita; está mais ouvinte e não agindo impulsivamente; muito mais obediente e mais carinhoso. Ele tem recebido elogios na escola. Enfim, não sei como estaria o Orlando sem este treinamento.


André, 23 anos

Nunca imaginei que poderia ter déficit de atenção, mal sabia o que era. Quando entrei para a faculdade senti muita dificuldade, pois não importava quanto estudava, não conseguia atingir a média. Sempre me sentia distraído durante as aulas. Depois de vários testes fui diagnosticado com déficit de atenção. Pensei então, que precisaria tomar certo remédio tarja preta para o resto da vida. No começo, aceitei o fato de tomar esse remédio já que ele me faria uma pessoa normal.

Antes de toma-lo, foi recomendado que uma bateria de exames médicos, entre eles, de sangue, ultrassom dos rins, coração, e até um oftalmologista para a pressão dos olhos (remédio forte hein!). Me receitaram uma opção de medicamento. Após seis meses tomando remédio para TDA, já não aguentava mais os efeitos colaterais, e fui pesquisar sobre o Neurofeedback como tratamento para déficit de atenção.

Agendei uma avaliação na Brain Tech e na sequencia, já iniciei meu tratamento. Hoje, 8(oito) meses depois, não tomo mais medicação para TDA, estou curado definitivamente e minha vida melhorou.